Guia de Geoprocessamento e Geotecnologias: como iniciar?

Guia de Geoprocessamento e Geotecnologias: como iniciar?

Guia de Geoprocessamento e Geotecnologias: como iniciar?

Guia de Geoprocessamento e Geotecnologias: como iniciar?

Geoprocessamento e geotecnologias: você sabe o que é? 

Essencial para o estudo espacial dos dados geográficos, essas pesquisas topográficas auxiliam na tomada de decisão em relação ao uso do espaço.

E para ser um profissional em geoprocessamento e geotecnologias é necessário bastante conhecimento. 

O mercado de trabalho está sempre em busca de profissionais qualificados e você pode ser um deles!

Quer saber como iniciar nessa profissão? 

Continue conosco, pois vamos explicar tudo o que é preciso para trabalhar nessa área!

Quais são os trabalhos com geoprocessamento e geotecnologias?

São muitas as áreas que envolvem o uso de geoprocessamento e geotecnologias, uma vez que essas aplicações estão cada vez mais presentes em nossas vidas.

Sendo assim, não é necessário que o profissional seja graduado como geógrafo e cartógrafo para seguir carreira: são diversas as formações que, após certo aprofundamento na área, pode-se trabalhar com geoprocessamento e geotecnologias.

Atualmente, setores públicos e privados utilizam informações espaciais em diversos segmentos produtivos, seja no agronegócio, ecologia, economia, entre outros.

Os cientistas climáticos, por exemplo, podem trabalhar para departamentos governamentais. Geógrafos de saúde desenvolvem mapas que identificam e impedem a propagação de doenças.

Já os desenvolvedores de aplicações em GIS, responsáveis por integrar soluções para negócios, podem desenvolver projetos de preservação ambiental, aperfeiçoando infraestruturas, expandindo negócios e otimizando operações.

Além disso, a área da geotecnologia permite unir conceitos aplicados na cartografia e geografia para, assim, obter dados concretos, seguros e informatizados.

Biólogos e arquitetos também utilizam os mapas para análise na área da epidemiologia.

O mercado brasileiro para profissionais de geoprocessamento e geotecnologias

O mercado brasileiro na área de geoprocessamento e geotecnologias está bastante aquecido. A demanda exige cada vez mais desse setor, por isso, há muitas empresas buscando aplicar as geotecnologias. 

O profissional de geoprocessamento está sendo constantemente requisitado por empresas nas áreas de mineração, consultoria ambiental, governamentais, universidade e laboratórios de pesquisa.

Da mesma maneira, organizações em expansão buscam suprir demandas em inteligência espacial. 

Para isso, necessitam contratar equipes com profissionais experientes na parte técnica e analítica, além de terem conhecimento na utilização dos softwares de geoprocessamento e competências em GIS.

Empresas jovens e disruptivas, entre algumas startups de tecnologia e transporte, cada vez mais necessitam da integração do aspecto espacial aliado à análise de dados coletados pela empresa.

Com isso, podemos afirmar que a demanda por profissionais de geotecnologia está em uma crescente, e deve continuar por um bom tempo. 

E essa é uma grande vantagem para quem ainda não se encontrou no cargo atual, já que diversas outras profissões podem se especializar em geoprocessamento e geotecnologia, permitindo ao profissional iniciar uma nova carreira.

Onde aprender geoprocessamento e geotecnologias?

 A GEO SEM FRONTEIRAS é o maior portal de ensino em geoprocessamento e geotecnologias com mais de 50 mil alunos de diferentes partes do mundo formados por professores mestres e doutores com experiência no mercado de trabalho. 

Não há desculpa para não aprender.

Para quem já é formado em qualquer área e deseja se especializar em geoprocessamento e geotecnologias, ou trocar de profissão, há a disponibilidade de cursar uma pós-graduação, com duração de 6 a 12 meses. 

Entre os cursos disponíveis, destacamos:

  • Introdução ao Geoprocessamento;
  • Cartografia Digital;
  • Processamento Digital de Imagens;
  • Sensoriamento Remoto;
  • Métodos e Medidas para Georreferenciamento;
  • Modelagem de Dados Geográficos;
  • Bancos de Dados Geográficos;
  • Métodos de Análise Espacial;
  • Interfaces e Interação em Geovisualização;
  • Geoprocessamento Aplicado à Gestão Ambiental;
  • Georreferenciamento de Imóveis Rurais.

Outra opção, ainda, é cursar um tecnólogo em geoprocessamento, concluindo o curso em 3 anos.

 

Principais softwares utilizados

Vários são os softwares utilizados em geoprocessamento. 

Fundamentais para desenhar, captar e organizar mapas, além de serem responsáveis por adquirir, manipular, analisar e apresentar dados georreferenciados, eles podem ser divididos em três tipos básicos:

CADs (Computer-Aided Design, ou Desenho Auxiliado por Computador)

Trata-se de softwares de representação gráfica por camadas de desenho, cores e estilos, que usam a geometria vetorial.

O exemplo mais conhecido é o AutoCAD, mas existem outros programas similares, como, por exemplo:

  • IntelliCAD;
  • QCAD;
  • BricsCAD;
  • DataCAD;
  • Vector.

SIGs ou GIS (Sistemas de Informações Geográficas)

Esses softwares permitem a análise, manipulação e geração de dados georreferenciados. 

Por constituírem um sistema, podem englobar recursos de softwares, tais como:

  • Spring;
  • ArcGIS;
  • VisionGIS;
  • QGIS;
  • GISMaps Viewer;
  • Terra View;
  • MegaGis;
  • Idrisi.

Desktop Maping ou Computer Maping

Softwares para manipulação de mapas vetoriais e dados alfanuméricos. Eles são considerados meio-termo entre os CADs e os SIGs.

Dentre os principais, podemos citar:

  • MapInfo;
  • MapWindow.

Cursos para quem deseja trabalhar com geoprocessamento

Quer se aprofundar em geotecnologias para ingressar no mercado de trabalho? 

Confira a seguir alguns dos principais cursos para quem deseja trabalhar com geoprocessamento:

Sistemas de Informações Geográficas (SIG)

Conhecido pela sigla GIS (Geographic Information System), é um conjunto de sistemas de hardware e software que armazena, analisa e processa dados georreferenciados, contendo arquivos de varredura digital, tais como imagens de satélites e fotos aéreas, ou arquivos vetoriais (pontos, linhas e polígonos).

Em resumo, seu objetivo é gerar mapas, cartas topográficas, gráficos e tabelas, itens fundamentais para a análise de evoluções espaciais de um fenômeno geográfico e as inter-relações entre esses fenômenos.

Sensoriamento Remoto (SR)

O sensoriamento remoto por satélites, drones e estações espaciais é o conjunto de técnicas que permite a representação e coleta de dados da superfície terrestre sem a necessidade de um contato direto.

Basicamente, os sistemas de sensoriamento remoto (SR) coletam energia acústica eletromagnética e gravitacional.

Como resultado, esses sensores remotos conseguem encontrar a energia do objeto buscado e convertê-la em um sinal que pode ser gravado em formato ideal para a extração de informações, que posteriormente serão usadas em estudos.

Cartografia Digital

Os sistemas de cartografia digital são um conjunto de ferramentas, softwares e hardwares desenvolvidos para edição, manipulação, armazenamento e visualização de dados geoespaciais.

Seu objetivo é representar a realidade geográfica por computação. Dessa forma, há uma maior rapidez e precisão na elaboração dos mapas, imagens de satélite e fotografia aérea digitais.

Sistema de Navegação Global por Satélite (GNSS)

O Sistema de Navegação Global por Satélite (GNSS) é um conjunto de sistemas que possibilitam a navegação e posicionamento de um elemento na Terra.

Para tal, é tomado como referência uma constelação de satélites de recobrimento global

Em suma, ela permite determinar o posicionamento e a localização de um veículo ou receptor localizado em qualquer parte do mundo, tanto na terra, nos oceanos ou no ar.

O exemplo mais conhecido por nós é o GPS, utilizado em todo o mundo. Também podemos destacar o NAVSTAR GPS (Estados Unidos) e o GLONASS (Rússia).

Topografia

A topografia estuda os atributos naturais ou artificiais da superfície de um terreno. Essa tecnologia se utiliza de medições que permitem descrever e representar uma parte da superfície terrestre.

Sua fonte de dados espaciais permite detalhar um terreno com suas dimensões, variações altimétricas e planimétricas que, consequentemente, fornecem material para mapeamentos específicos.

Na prática, o topógrafo analisa dados de campo (altitude, latitude, longitude), faz o mapeamento de níveis, realiza medições e elabora mapas e plantas.

Geralmente, a topografia é aplicada em pequenas áreas, muito utilizada nas construções civis, em projetos arquitetônicos, sistema viário, mineração, na indústria, entre outras aplicações.

Fotogrametria

Fotogrametria é a técnica usada para extrair de fotografias métricas a forma, as feições, as dimensões e a posição dos objetos nelas contidos. Para isso, são utilizadas técnicas de sensoriamento remoto.

Após esse processo, é efetuada uma análise estereoscópica, permitindo a construção de modelos digitais e mapeamento do terreno.

Vale destacar que a utilização de drones permite uma obtenção mais ágil dos dados, pois ajudam a mapear centenas de hectares em poucas horas por um baixo custo.

Além disso, a fotogrametria é aplicada em projetos de estradas, arqueologia, automação de processos industriais, planejamento de superfícies, realidade aumentada ou robótica.

Existe diferença entre geoprocessamento e geotecnologias?

Uma dúvida muito frequente é referente às diferenças entre geoprocessamento e geotecnologias. 

Vamos começar a nossa explicação identificando o que significa cada um desses termos.

Geotecnologias

As geotecnologias são as diversas técnicas utilizadas para coleta, armazenamento e uso integrado com análises desses dados geográficos. Entre elas, podemos destacar:

  • Sistemas de informação geográfica;
  • Topografia;
  • Sensoriamento remoto orbital;
  • Uso de drones ou veículos aéreos não tripulados (VANTS);
  • Uso de banco de dados geográficos;
  • Mapas interativos na internet.

Geoprocessamento

Conforme a definição de Rosa e Brito, considerada uma das mais didáticas, o geoprocessamento se refere ao conjunto de técnicas relacionadas à coleta e tratamento da informação espacial.

Agora fica mais fácil entender, não é mesmo? 

Geotecnologias são as técnicas utilizadas para a coleta e tratamento da informação, enquanto o geoprocessamento é o conjunto que engloba todas essas técnicas.

Em outras palavras, o geoprocessamento é um conjunto de geotecnologias.

 

Quanta ganha um profissional de geoprocessamento?

O setor de geoprocessamento e geotecnologias está em alta. 

Há muita demanda para o setor, mas ainda faltam profissionais qualificados. Por isso, o mercado de trabalho em geoprocessamento está em um bom momento, com salários atrativos.

Confira alguns dos valores oferecidos para diferentes funções, segundo o site Glassdoor, com dados atualizados em julho de 2022:

  • Técnico em geoprocessamento: de R$ 1.906,00 a R$ 3.519,00;
  • Analista de geoprocessamento: de R$ 2.380 a R$ 4.600,00.

Lembrando que a variação de valores depende da região demográfica, demanda de mão de obra qualificada e tempo de experiência do profissional (júnior, pleno ou sênior).

Dicas para quem deseja se inserir no mercado de trabalho

Você pretende ingressar no mercado de trabalho em geoprocessamento e geotecnologias? 

Atualmente, esta é uma ótima opção, já que o mercado de geoprocessamento está em ampla expansão.

Para tal, invista em capacitação através de cursos de geoprocessamento e geotecnologias (você pode começar com opções gratuitas, optando depois por uma graduação ou pós-graduação na área.

Uma boa estratégia é iniciar com capacitações introdutórias, aprendendo o funcionamento das ferramentas e, depois, se aprofundando nos cursos específicos, mais aprofundados.

Quando estiver mais inserido na área, vale atualizar o seu currículo

Inclua todos os certificados adquiridos e evidencie as suas competências, consoante a área que pretende ingressar. 

Você tem perfil analítico? É organizado? Lida bem com rotinas e processos? 

Enalteça cada uma dessas competências!

Ao incluir o seu histórico profissional, enfatize as suas experiências e ressalte os pontos que existirem em comum entre a atividade exercida e a pretendida, pois essa experiência, mesmo aplicada em outra área, pode se tornar um diferencial.

Cursos gratuitos na área de geotecnologias

Agora que você já sabe para que serve a geotecnologia, você pode estar se perguntando: onde consigo encontrar bons cursos para geotecnologias? Existe curso online de geotecnologias gratuito? 

A resposta é sim!

Você também encontra cursos de geoprocessamento grátis na Geo Sem Fronteiras

São diversas formações na área, e o primeiro curso de cada formação é sempre gratuito, com direito a 20 dias consecutivos de acesso. 

 

Entre os cursos disponíveis, destacamos:

  • SIS com ArcGIS;
  • Geoprocessamento;
  • Banco de Dados Geográfico;
  • Power BI;
  • Sensoriamento Remoto;
  • Google Earth Engine;
  • Projetista Civil com Autocad e SketchUp.

Apresentamos neste conteúdo um guia completo sobre como iniciar a sua carreira em geoprocessamento e geotecnologias.

Esperamos que as informações aqui contidas tenham sido valiosas para o seu desenvolvimento profissional!

E para aprofundar nos cursos de geoprocessamento e geotecnologia, a Geo Sem Fronteiras oferece treinamentos de qualidade e o primeiro módulo de cada um deles é grátis! 

Confira os cursos disponíveis e bons estudos!

 

Categoria

Tem uma pergunta?

Entre em contato com nosso suporte para qualquer dúvida.